18/07/2024 +5524992552748

Toque de bola - Augusto Carpazano

Livro Marketing

Brasil perde nos pênaltis e dá adeus à Copa América 2024

Na terça-feira, as 21hs, Argentina e Canadá fazem a primeira semifinal

Por Augusto Carpazano 07/07/2024 às 10:51:10

No Allegiant Stadium, em Las Vegas, Uruguai e Brasil se enfrentaram por uma vaga na semifinal da Copa América 2024, e sem a presença de Vini Jr, suspenso, e Wendel, sacado do time, Dorival Jr promoveu as entradas de Guilherme Arana e Endrick no time.

Com esses jogadores, a configuração tática do time também mudou. Nos primeiros jogos, principalmente no segundo tempo contra a Costa Rica e nos jogos contra Paraguai e Colômbia, o time formou no 4-4-2, com Rodrygo e Vinícius Jr jogando mais soltos tendo Paquetá cobrindo uma ponta e Raphinha a outra.


A entrada de Endrick no time fez com que Rodrygo fosse deslocado para a ponta esquerda e como o jogador tem mais disciplina tática que seu companheiro de Real Madrid, o time voltou a jogar no 4-2-3-1, dando mais equilíbrio entre os setores.

Porém do outro lado temos um técnico dos mais experientes. Marcelo "El Loco" Bielsa, percebeu logo cedo os planos de Dorival e bloqueou o jogo pelo meio do time brasileiro com perseguições individuais. Ugarte marcava Paquetá, Valverde João Gomes e De La Cruz, Bruno Guimarães.


Além disso, o argentino marcou a saída de bola nos tiros de meta.  Alisson sempre tenta sair jogando com os dois zagueiros ou com os volantes. O técnico da "Celeste" colocou dois jogadores para marcarem os defensores brasileiros, três para marcarem os volantes e um dos pontas em cima de um dos laterais. Assim a opção de Alisson era, ou arriscar um toque curto e ter um erro forçado ou mesmo apelar para o chutão. Apesar do 0 x 0, a primeira etapa foi cheia de oportunidades, de lado a lado, e um jogo disputadíssimo como era de se esperar.


O Brasil chegou bem com Raphinha em uma cobrança de falta, que tocou na barreira e numa jogada nascida de um chutão do goleiro que o camisa 11 recebeu e foi parado pelo ótimo goleiro Rochet. Ainda tivemos a contusão do zagueiro do Barcelona, Ronald Araújo que deixou o jogo para entrada do experiente José Maria Giménez.Talvez a grande oportunidade do Brasil em criar mais opções de jogo fosse pelo lado direito onde Raphinha estava levando vantagem sobre Viña, mas sem a companhia de Danilo ou Paquetá.


No segundo tempo, vendo que estava com o lado direito desguarnecido, "El Loco" tirou Viña, mal na partida, e colocou o zagueiro Cárceres. Com isso, Matias Oliveira voltou a sua posição de origem como lateral pela esquerda. Com essa substituição, ele consertou seu maior problema na parte defensiva, porém o Brasil começou a investir mais pela esquerda de ataque e como Arana é um lateral ofensivo, criou boas jogadas com Rodrygo. 


Melhor no jogo de hoje que nos últimos três jogos pela Seleção, o "Raio" ainda não foi o jogador que se espera de um campeão da Liga dos Campeões. Bielsa também, vendo que Arana avançava muito no jogo posicionou Pellistri para o acompanhar, na fase defensiva de seu time, e Darwin Nuñez para jogar entre o lateral e o zagueiro Marquinhos.

Defensivamente, fora um erro de posicionamento da defesa ainda no primeiro tempo onde Nuñez teve a oportunidade de cabecear sozinho, o time fez uma boa partida, porém ainda encontrava muitos obstáculos no ataque, pois Endrick não estava em seus melhores dias e Raphinha se apagou com a boa marcação que recebera no segundo tempo. As coisas pareciam mudar quando Nandez fez falta dura em Rodrygo e foi expulso de jogo.

Dorival rapidamente trocou seus volantes por Douglas Luiz e Andréas Pereira, dando mais vitalidade ao time. Na sequência, tirou o trio mais próximo de Endrick, Raphinha, Paquetá e Rodrygo e lançou Savinho, Evanilson e Martinelli ficando assim com dois centroavantes.


O técnico do Uruguai, tirou o ponta Pellistri e o meia De La Cruz, restruturando sua defesa com Varela e Bentancur. Alguns minutos depois, tirou o centroavante Darwin Nuñez e promoveu a entrada de De Arrascaeta ficando com três volantes e um meia, sem atacante. Um 4-4-1- Já com pouco tempo para construir alguma jogada de perigo, o Brasil não conseguiu tirar o zero do placar e, assim, a partida foi para decisão por pênaltis.

Militão parou nas mãos de Rochet e Douglas Luiz bateu na trave. Giménez ainda perdeu para o Uruguai, mas quando Ugarte converteu o pênalti, o volante colocou a "Celeste" na semifinal do torneio.


Na terça-feira, as 21hs, Argentina e Canadá fazem a primeira semifinal, no mesmo horário, só que na quarta-feira, Uruguai e Colômbia fazem o outro jogo para saber quem vai está no Hard Rock Stadium, na Flórida, para a final da Copa América 2024.


Comunicar erro
Comentários